Featured

Sexo: Como as mulheres percebem!

img_1940.jpg

O sexo refere a todas as acções que podem excitá-lo/a sexualmente. O sexo não é apenas a relação sexual. Também inclui beijos, carícias e sexo oral.

Sexo!!! Para algumas mulheres, até mesmo para algumas culturas este tema é um tabu, certo! Mas como ele existe nas nossas vidas (ahh, ainda bem né), nada melhor como falarmos em termos genéricos e de forma consciente como ele funciona e partilharmos aqui a nossa visão sobre o tema.

Não é mistério nenhum que homens e mulheres funcionam e reagem de maneiras bastante diferentes quando o assunto é sexo. Enquanto os homens são mais visuais e encantam-se pelos estímulos externos, as mulheres precisam de uma série de estímulos sejam eles externos e internos para se sentirem atraídas ou sentir desejo. O problema é que às vezes a distância  entre o que os homens pensam sobre a sexualidade feminina e a realidade é tão grande que acaba comprometendo a relação. Esse abismo acontece muitas vezes pela ausência de dialogo entre os parceiros, sobre o que gostam, seus anseios e o que esperam que o outro faça que lhes agrade.

Podem até não acreditar (principalmente os homens) mas as mulheres têm tanto desejo sexual quanto os homens. Embora elas pesam alguns detalhes, como a preferência por alguma hora do dia, o grau de intimidade física no relacionamento e o que elas anseiam do sexo em geral. Mesmo que os homens e as mulheres tenham níveis semelhantes de desejo sexual, isso não significa que suas vidas sexuais reais são, na prática, as mesmas. Há inúmeras influências sociais a considerar sobre os comportamentos sexuais das mulheres e dos homens.

As mulheres parecem mais complicadas nessa hora, mas não são. Elas apenas querem ser percebidas e chamar atenção dos homens se calhar em alguns pontos, tais como:

  • A conexão emocional. As mulheres e se calhar alguns homens até, são muito sensíveis e não conseguem separar as emoções, dos desejos carnais. Lembra daquela máxima: “mente sadia, corpo sadio”? Sim, é quase igual aqui também, “mente sadia, vida sexual sadia”. Sexo para as mulheres vai além da atracão física (até pode ser relevante), mas, mais do que isso tem a conexão e ligação emocional.
  • Preliminares bem feitas como melhor indicador de qualidade. Até porque qualidade sempre supera a quantidade, concordam? O sexo para as mulheres vai além da penetração. Ele envolve carícia, beijos, contacto visual, até mesmo troca de elogios (fica a dica).
  • Comunicação entre o casal. As mulheres são por natureza mais comunicativas, mas há que convir que em matéria de sexo muitas delas se acanham.  Até porque algumas mulheres receiam que os homens as vejam como atrevidas e “saidinhas” demais. Então é super importante que ambos desenvolvam mais assuntos sobre os seus anseios e o que esperam desse acto.
  • A vontade das mulheres fazerem sexo varia muito durante certas alturas do mês. O corpo da mulher e suas necessidades alteram ao longo dos períodos, uma altura elas desejam muito e noutras nem por isso. Mas nada que uma paquera bem feita não resolva.

Nem todos os dias o sexo é bom para as mulheres. Os homens antes de julgarem, para além de fazerem uma analise introspectiva recomendo que ambos auscultem o que pode estar a falhar. Os pontos abaixo reflectem na maioria das vezes  as causas que impedem um bom e activo desempenho das mulheres na vida sexual:

  • Stress e cansaço. Os homens muitas vezes para manterem a fama de viris não admitem que esse mal também lhes ataca, embora eles também vivam isso. Mas vamos concordar que as mulheres hoje em dia estão cada vez mais atribuladas nas suas tarefas e esse sobrepeso de responsabilidade influi sobremaneira no seu desejo e desempenho sexual. Daí as famosas “dores de cabeça e enxaquecas” das mulheres naquela hora (risos).
  • Falta de sincronia e diversos problemas na relação. Sejam eles económicos, falta de confiança, dialogo e comprometimento, rotina, podem desestabilizar a vida sexual do casal.
  • Não estar no clima. Temos que aceitar que nem todos os dias são dias bons, no sexo também funciona de igual modo. Podem pensar que não e embora alguns homens não aceitem, mas nem todos os dias são dias “Sins” para ter um bom sexo. Engano-me?
  • Não se sentir bem com o próprio corpo. Este é sim um dos grandes vilões para o desempenho sexual de algumas mulheres. Aqui venho mais uma vez repisar a complexidade da mulher e como a autoestima e o bem estar interno e externo influenciam nesse quesito.

Nesse âmbito, sugiro que considerem três elementos importantes na construção mental da mulher que são muito importantes para ela na percepção do sexo: o que ela pensa do sexo, o que ela pensa sobre si mesma e o que ela pensa de seu marido. Sua atitude para com esses três conceitos determinará seu sucesso ou fracasso nesse campo de sua vida.

Nos dias de hoje em nossa sociedade e no mundo, vivemos uma banalização do sexo o que condiciona muitos desses factores, como a diminuição do desejo em casais de longa duração, a isso vem associado a masturbação excessiva e o uso de muita pornografia. O erotismo que é o combustível que mobiliza em grande parte o desejo, vem a desaparecer com a banalização do sexo. Proponho que trabalhemos por mais erotismo e dialogo em nossa vida individual e em nossa relação de casal. Estes e mais pontos, acredito que farão matéria para um tema futuro. 😉

img_1831.jpg

Homens: parem de querer reproduzir com as suas mulheres tudo que assistem em pornografia. Tudo aquilo é mera encenação. As mulheres, mais do que carne elas são feitas também de sentimentos, pensamentos e coração.

Mulheres: Sexo é muito bom sim, quando aprenderem a se conhecer e partilharem com os seus parceiros tudo aquilo que são seus medos, preocupações e expectativas.

Dica: Quanto mais sexo consciente incorporarem nas vossas relações mais desejo e vontade irão sentir e mais cúmplices irão ficar!

Então meus Super leitores, espero que tenham gostado da matéria e não se esqueçam de comentar, partilhando a vossa maneira de pensar e ver a questão sexual, deixem vossos likes e partilhem o link pelo mundo a fora.

  IMG_1829

 

Super Beijo!

Por Kelly Ho-Poon!!!

 

Featured

Apego! Quem aí sofre desse mal?

2.png

Hoje eu trago um tema super descontraído, porém não menos importante e acredito que muitas mulheres e homens até, irão se identificar bastante. O APEGO, nesse caso por roupas. Aquele sentimento de afeição e simpatia que nutrimos pelas nossas peças de roupa (falo de algo de outro mundo??).

Quem aí também vive perdendo tempo a preparar-se porque não encontra nada para vestir com um armário ou gavetas abarrotados de roupa? Quem nunca deu conta e está sempre a vestir as mesmas peças de roupa? Quem não tem uma gaveta a partir-se por sobre peso?

Eu pessoalmente tenho roupas em meu armário de 10 ou mais anos atrás. E o apego não me deixa desfazer delas, tenho sempre a sensação que ainda me vai ser útil, que haverá sempre uma ocasião para vestir a peça. O que acontece é que é tanta coisa que adquirimos pela vida que mal nos lembramos de todas as peças que temos e acabamos usando sempre as mesmas roupas. No caso, as peças mais recentes. Aí quando aparece roupa nova, a roupa anterior acaba se “escondendo” embaixo da nova e assim sucessivamente. Isso só acontece comigo mulheres?

acumulador-mulher-roupas-1454347593258_750x421-600x337

Então, eu vejo o apego a camuflar-se de duas formas: emocional e  material. O Material acontece quando pagamos muito caro em uma peça e por isso temos dó de doá-la. Mas lembre-se sempre que a roupa assim como qualquer outro bem material perde valor com andar do tempo.

Já o apego emocional ocorre quando a peça te remete a algum momento ou pessoa especial. Se for o caso, vamos fazer a seguinte análise: essa peça está a prender-me ao passado, logo, de alguma forma está a imobilizar-me e impedir que eu progrida. Se concluir que sim, doe já :-).

Acontece muitas vezes também de guardarmos roupas que já não têm muito a ver com o nosso estilo actual (imagina aquelas calças bocas de sino de cintura super baixa, rsrs), mas continuam no armário pois algum dia já gostamos e usamos muito a peça, aí ficamos com pena de mandar a roupa pra doação por causa do valor sentimental. O problema é que esse acumulo de roupa “inútil” só serve para nos confundir na hora de se arrumar. As roupas úteis ficam camufladas na bagunça e temos aquela sensação de não ter “nada” para vestir. Os homens agora vão concordar comigo (risos…)

Mas convenhamos, o desapego em si é algo super  difícil de acontecer, e com roupa não será diferente e não acontece de uma hora para outra. Eu estou  a materializar este processo paulatinamente seguindo algumas etapas, ai vai:

  • Comece por uma arrumação total.  Nisso, se desfaça de tudo que estiver velho, com nódoas e rasgado. As peças que ainda puderem ser aproveitadas, ofereça. Mas por favor, sempre com bom senso, né! 🙂
  • Mande para doação todas aquelas roupas que você achou que “um dia eu vou usar” ou “um dia eu vou precisar”, mas até hoje nunca usou ou nunca precisou (faço muito isso).
  • Venda ou doe aquelas peças que estão praticamente novas, que você comprou e por alguma razão “misteriosa” nunca usou. Mulheres quem nunca delirou por uma peça na loja, mas quando chegou em casa já não consegue se quer olhar para a peça? Eu faço isso algumas vezes, mas hoje em dia com as facilidades das redes sociais, com os bazares e “brechós” podemos nos desfazer das peças e ainda ter o retorno total ou aproximado da compra.

Nota: Tenha em mente que descartar não é deitar no lixo, mas sim dar um novo destino à peça.

Olha, alguns pontos são sim mais difíceis de cumprir por causa do valor sentimental, por isso, esse exercício de limpeza deve ser repetido de quando em vez, até a hora que você vai olhar para o seu armário e perceber que não há mais nada para retirar. A ideia é manter no armário o que realmente gostamos e/ou usamos.

sem nome

Então Super Mulheres desafio-vos a realizar essa limpeza em todos os compartimentos da casa: roupas,  sapatos, bolsas, bijuterias (que tal aquele par de brinco que só ficou 1 para contar história :-), produtos de beleza e mais. Vamos para cozinha, temos aquelas loiças todas encardidas que precisam de uma repaginada. E os nossos arquivos então, quem ai não tem fichas de tempo de faculdade amontoadas servindo de alojamento de poeira?

Não é fácil desfazer-se de tanta coisa né? É nessas horas que percebemos onde andamos a desperdiçar nosso dinheiro suado. Dá um pouquinho de remorso e peso na consciência dar de cara com todo esse desperdício. Mas é aquele mal “necessário”. Até porquê ajuda-nos a ter mais consciência para o consumo inteligente e racional.

E mais, com toda essa arrumação imagina a facilidade agora em montar os nossos looks para não nos atrasarmos. Para quem dispensa algum tempo na cozinha pensa no ganho que a organização do armário vai lhe trazer na agilidade em encontrar os apetrechos que precisamos sem ter as coisas a caírem por cima de nós quando queremos tirar apenas um item.

O ser humano acaba desenvolvendo um carinho especial por certas roupas e, às vezes, nem sabe explicar porquê. Da mesma forma, algumas peças remetem a uma experiência má que nos paralisa no tempo. Então, vamos dar esse poder todo a uma peça de roupa? Vamos nos consciencializar que tirando o velho temos mais espaço para receber o novo. Com essas acções somos bondosos e podemos fazer o bem, então só temos a ganhar com essas atitudes. E mais, se formos bem sucedidos nesse tipo de desapego, quem sabe um dia evoluímos para tipos mais complexos dessa acção. já pensou?

“Se você precisa encontrar um motivo para o objecto ficar, é porque ele precisa ir embora”, fica a dica!!!

Super mulheres, espero que gostem. Deixem Likes, comentem com as vossas experiências sobre o tema e partilhem para que o apego não fixe moradia em nossos lares. 🙂

Super Beijo!!!

Por Kelly Ho-Poon…

 

Featured

O Cantinho onde as mulheres partilham suas experiências…

This is the post excerpt.

Muitas vezes queremos ser as SUPER MULHERES, que dão conta de tudo sempre! Boas profissionais, mães exemplares, esposas de valor, donas de casa impecáveis e ainda fortes o suficiente para não nos abalarmos com os problemas, decepções, tristezas e mágoas no decorrer do caminho. Nos negamos a viver de facto momentos como estes, ao invés disso vestimos uma máscara de autossuficiência e seguimos em frente, de cabeça erguida e inabaláveis.

  heroinas[1].jpg

Mas, como Mulher Maravilha, Mulher Gato ou qualquer outra super-heroína só existem mesmo na ficção, as mulheres costumam ter dificuldade para lidar com tantas funções. A mulher actual quer fazer tudo, dar conta de tudo e muitas vezes, incorre em consequências altas por isso. Nossas atribuições se multiplicaram a partir do momento em que decidimos trabalhar fora para além de cuidar da família e da casa, acumulando funções, por mais que os maridos nos ajudem. Ela tenta ser uma super mulher, mas nem sempre consegue, entao o resultado nem sempre é satisfatório para ela mesma.

Neste espaço, que é mais vosso que meu, servirá para partilharmos ideias, desafios quotidianos, nossos medos, barreiras enfrentadas e mecanismos reais de como ultrapassá-los. Seja na vida profissional, como esposas, mães, aspectos da nossa saúde mental e física, nível de auto-estima e tudo com exemplos de superação. Seremos Super Mulheres simmm, mas respeitando nossos limites e fragilidades…

Super Beijooo!!!!

Por Kelly Ho-Poon 🙂

Feliz dia de São Valentim, Sem “romantização” da violência!

Bom dia à todos Super Leitores!

foto

Hoje o Bom dia, vem com um sabor mais romântico, por se tratar do dia 14.02 –  dia de São Valentim, dia dos namorados. Não obstante, eu como uma boa simpatizante do abaixo a “hipocrisia” prefiro não romantizar datas e momentos e trazer à tona consciências mais realistas.

A sociedade sempre romantizou a violência contra a mulher, camuflando de tal maneira que não se consiga identificar de imediato as violências silenciosas presentes na vida de um casal, muitas vezes por acreditarem que esses episódios sejam apenas fases naturais de todo e qualquer relacionamento afectivo. Enquanto a realidade mostra que um relacionamento que se constrói com bases abusivas tende a terminar de maneira cruel para suas vítimas, causando danos, às vezes, irreparáveis.

A idealização dessa linha frágil entre uma relação destrutiva e a idealização do romantismo torna-se extremamente perigosa, na medida em que a combinação das consequências psicológicas e moral  das vítimas de violência doméstica e familiar ocasionam resultados tão graves quanto a violência física.

Um relacionamento abusivo é caracterizado pelo excesso de poder de uma pessoa sobre a outra dentro de um relacionamento. Muitas vezes acontece quando existe um parceiro extremamente ciumento que quer controlar as atitudes e decisões do outro, tentando quase sempre isolá-lo do mundo. Caracteriza-se pelo desejo de controlar o parceiro e de tê-lo apenas para si.

Eu entendo que algumas características dos relacionamentos abusivos são normalizadas e pacificadas pela nossa cultura, tornando difícil para as próprias vítimas entenderem o que se passa com elas, só tomando a dimensão da violência quando a agressão além de mental passa a ser física.

A violência física é a forma mais conhecida, devido o seu carácter notório e visível, podendo ser descrita como a agressão realizada pelo parceiro em que envolve o uso da força corporal, que se manifesta pelo contacto físico violento ou até mesmo pelo arremesso com força de objectos contra o corpo da vitima.

Já a violência sexual consiste na violação do corpo da vítima, causada por uma acção do agressor que busca obter, a partir da força física e sem o consentimento da vítima, o acto sexual. Muitas vezes por machismo ou depreciação da camada feminina, a  sociedade tende a dizer que a mulher “pede” ou “merece” ser estuprada/violada por causa de sua conduta ou tamanho da roupa. Quem nunca ouviu esse argumento?

A violência psicológica é na minha opinião a principal característica de uma relação afectiva abusiva e pode ser caracterizada por condutas que procuram diminuir, manipular, controlar, humilhar, ou quaisquer outros actos que determinem causar danos emocionais a vítima. Por ser uma violência de difícil constatação, a vítima, por não conseguir compreendê-la, sofre em silêncio, transformando-o em diversos problemas mais graves, como depressão, baixa auto-estima, insegurança e até mesmo suicídio para casos mais severos.

Podia ter criado uma matéria mais exaustiva, com mais detalhes e pormenores mas ficarei por aqui na promessa de falar mais sobre o tema futuramente. Para hoje, quero apenas trazer à tona nesta data que deve ser tão  especial, que o controle motivado por ciúme não é amor e não é romântico. Precisamos parar de falar por exemplo, que controlar as roupas da parceira é se preocupar com o relacionamento  e com a idoneidade da  mesma. Controlar com quem ela conversa, aonde ela vai, proibir que ela faça algo que ela deseje não é sintoma de paixão, é sinal de que o relacionamento é abusivo e consequentemente nada saudável.

Tenham um dia Super feliz regado de muita paixão e cumplicidade, mas não descurem da necessidade de denunciar ou abdicar de cenários violentos por acharem românticos e normais.

Um arranjo de flores, um jantar romântico para o dia de hoje, não repõe a perda da luz interior resultante de dias consecutivos de violência…

Lembrem-se: Amor próprio sempre em primeiro lugar.

Super Beijo!

Por Kelly Ho-Poon…

 

Os vossos filhos sabem esperar?

l.jpg
Cara de mandona e quem quer tudo para ontem!

Bom dia à todos/as Super papás/mamãs!

Já queria ter escrito sobre este tema a bastante tempo. Na altura a Giovanna tinha ainda 1 ano e meio e fomos ao parque infantil pela primeira vez, quando observei que naquele espaço de tanta diversão também é um óptimo lugar de socialização e aprendizado. Uma vez que a quantidade dos brinquedos não são proporcionais a quantidade de crianças que lá frequentam, existe uma necessidade das crianças terem que esperar pela sua vez para ocupar os baloiços ou escorregadores. Aí que mora o perigo! Será que esse processo é pacifico e as crianças tiram de letra a espera pela sua vez?

Tal como os adultos, as crianças hoje em dia vivem em uma sociedade onde tudo acontece extremamente rápido. Como pais e mães, é super importante que consigamos ensinar aos nossos filhos o valor da paciência e ensiná-los a esperar preparando-os para a vida tal como ela é (as vezes muito cruel).

A paciência é um valor extremamente importante para o ser humano, porém não é uma habilidade inata. As crianças devem aprender gradualmente desde seus primeiros anos de vida. Está nao é uma tarefa facíl, com o agravante de que desde o nascimento do bebê, os pais se esforçam para satisfazer todas as necessidades de seus filhos, a todo momento e o mais rápido possível.

Embora seja compreensível que os pais queiram alegrar os filhos, isso pode causar problemas no futuro. Crianças precisam aprender a esperar para conseguir as coisas que desejam. Caso contrário, elas ficariam completamente incapazes de lidar com os menores dos estresses e obstáculos que surgirão em suas vidas. Os pais têm treinado involuntariamente os cérebros dos filhos a receber tudo o que querem e quando querem. Concordam?

Somos a geração de pais que fazem de tudo para que os nossos filhos sejam felizes, então damos tudo o que querem. Deixamos as nossas crianças fazerem tudo o que querem, e esquecemo-nos que somos nós que devemos decidir o que é bom para eles.

À medida que as crianças crescem, devem aprender que não é possível adquirir certas coisas de imediato e que às vezes é preciso ter paciência. Sob o risco de estarmos a criar futuros adultos que não sabem esperar e respeitar filas de padarias/bancos, adultos egocêntricos que julgam que o mundo gira em torno de seus umbigos.

Vou partilhar aqui algumas práticas para treinarmos com os nossos filhos para aprenderem a arte de esperar. Realço que não tem um manual ou fórmula mágica para criar filhos mais pacientes – esse é um exercício diário, que deve ser trabalhado naquelas pequenas situações do quotidiano. Eu tenho uma criança impaciente em casa e confesso que as vezes nem eu sei lidar com tanta ansiedade e “birras”.

     1.   Explicar porque deve esperar

É sempre importante explicar ao seu filho com muita calma (se isso for possível, risos), o porquê de não poder ter o que se pede imediatamente. A criança deverá ser capaz de entender porque tem de esperar e por quanto tempo, preferencialmente.

Por exemplo, se ele/a desejar um brinquedo, explique que terá de esperar por uma ocasião especial: seu aniversário, ou até mesmo o Natal. Adiando essa situação, fazemos a criança compreender que existe um tempo entre o que ele deseja e a possibilidade de se realizar. Meu marido que confirme, eu não sou muito apologista de presentes fora de época, há quem me chame de avarenta, mas eu prefiro pautar pela meritocracia (risos).

    2.   Valorizar e recompensar

Trate sempre de elogiar seu filho quando demonstrar paciência. Tente sempre  parabeniza-lo por seu bom comportamento, pode até dar-lhe algum privilégio para coroar seus esforços ao saber esperar.

O que acontece muitas vezes é que quando as crianças tem uma necessidade instantânea elas  ficam chatas, nós por não termos paciência damos-lhe o que elas querem para nos livrarmos da birra. E assim, a nossa baixa resistência aos apelos dos filhos levam-nos a errar.

     3.   Seja um exemplo 

A criança aprende imitando comportamentos e não com lições de moral e sermões. De que adianta pedir a seu filho para esperar se você quer tudo pronto na hora? Reflicta sobre isso!

Gritamos todos dos dias com as nossas crianças quando demoram um pouquinho mais para vir a mesa. Quem se identifica? Desse modo, não estamos passando para elas um modelo de serenidade e, além disso, transmitimos nossa própria ansiedade.

     4.   Alguns momentos de ócio

Actualmente, a agenda dos nossos pequenos parece estar cada vez mais cheia de atividades e o tempo livre está a ficar escasso. Em algumas  casas até vemos a programação das crianças colada na geleira, é natação, inglês, futebol, balé… Percebe-se cada vez mais uma angústia dos pais em nunca deixar as crianças entediadas, mas a verdade é que elas precisam lidar com isso. Estou a escrever esse trecho e rio para mim mesma das vezes que disse ao meu marido: “não vale a pena irmos ao sitio “X” tão cedo porque depois a Giovanna fica entediada e faz um escândalo.” E mais coisas que privamos-nos de fazer porque tememos o comportamento dos nossos pequenos num pós tédio.

sem nome.png

Alcançar um equilíbrio é fundamental e trabalhar a ansiedade aos poucos dentro de casa é um caminho para criar filhos mais pacientes e preparados para viver bem em sociedade. Em determinado momento, as crianças terão que aprender a fazer coisas que não gostam. Isso pode acontecer quando elas entram para a escola ou quando são empregadas. Se a criança não se preparar para as coisas desagradáveis, necessários aspectos da vida, elas vão precisar viver uma constante luta para ter sucesso e vai precisar lidar constantemente com os desgostos.

E lembre, se prometer ao seu filho por exemplo, que depois de terminar o que esta a fazer, vai brincar com ele, cumpra o prometido. Só assim ele vai entender que esperar vale a pena. Concorda?

t.jpg

Espero que tenham gostado do texto, deixem vossos “likes”, comentários de como lidam com ansiedade dos vossos filhos e partilhem para mais Super papás e Super mamãs.

 

Super Beijo!!!

Por Kelly Ho-Poon…

A forma como o próximo te trata é reflexo da maneira como te tratas!

fto 6

Aos meus Super Leitores, um “BOM DIA” especial e cheio de culpa por me ter ausentado por tanto tempo. Mas como a boa filha que sou, estou de volta à casa com um tema para reflexão e que na minha opinião é bastante interessante.

A forma como o próximo te trata é reflexo da maneira como te tratas…

Vivemos em um mundo sem preparação prévia, chegamos aqui sem um manual de instruções, e aos poucos nós vamos entendendo as regras do jogo.

De Certa forma, temos a tendência de viver a reproduzir o que foi o nosso passado. Vivemos apegados à infância , ou seja, submissos aos outros, a alguém “superior” (as pessoas encarregues pela nossa formação e educação). Com isso erramos e acabamos nos tratando muito mal!

Acredito que existe uma forte correspondência (que pode não ser linear) entre a forma como nós nos tratamos e como fomos tratados ao longo do nosso crescimento. Se fomos muito criticados, continuamos nos criticando; se fomos desprezados, continuamos nos desprezando, e assim por diante.  Se calhar isso dava um tema super interessante para o próximo texto, qualquer coisa sobre “educação e formação dos nossos filhos”… Vou pensar com carinho!

As pessoas te tratam como VOCÊ se trata”, e mais,  as pessoas fazem connosco aquilo que permitimos. Nós somos totalmente responsáveis pelo tratamento que recebemos. Notem, que não falo aqui de situações eventuais e esporádicas quando nos tratam mal, refiro-me a eventos repetidos de actos de maus tratos e diminuição.

Ditado popular: Se uma pessoa te engana uma vez a culpa é dela, já se ela te engana a segunda vez a culpa é sua.

Nós podemos vislumbrar a nossa auto-imagem olhando as pessoas que nos cercam. Todos nós diariamente mantemos relacionamentos com pessoas (parceiros, pais, filhos, colegas…) que nos tratam da maneira como acreditamos que merecemos ser tratados. Pessoas com uma auto-imagem saudável exigem respeito daqueles que as cercam. Elas tratam bem a si mesmas, estabelecem um exemplo do modo como os outros devem tratá-las. Se você tem uma auto-imagem deficiente, irá se confrontar com todos os tipos de maus tratos e aborrecimentos vindos de praticamente todos que o cercam. As pessoas nos tratam do modo como nos tratamos. Aqueles com quem nos relacionamos percebem rapidamente o quanto respeitamos a nós mesmos. Se há respeito próprio, todos seguem fazendo o mesmo, respeitando-nos! Falei de algo insólito?

Cuidado com o que você tolera! Ao tolerar repetidamente actos  de “desrespeito”, você está a ensinar como podem te tratar. O outro nos trata como nós permitimos que nos tratem e, mais do que isso; o outro nos trata como nós tratamos a nós mesmos. Sim, isso é algo duro de escutar mas, é verdade.

Quer confirmar se o que digo faz sentido ou não? Comece a tratar a si de outro modo. A se cuidar, se respeitar, ser gentil consigo, dizer “não” quando sente vontade (mesmo com medo) e perceba o comportamento das outras pessoas para com você? Aprenda uma coisa, a cada NÃO,  que dissemos ao outro, é um SIM que falamos a nós mesmos. Quantas vezes fazemos coisas que não nos apetece, vamos a lugares e estamos com pessoas de quem não gostamos para agradar o outro? Mudamos hábitos, rotinas, maneira de pensar e estar para “empoderar” o outro e ser melhor aceite?

Se agimos assim, sempre nos colocando em segundo plano com medo do abandono e da rejeição em todos aspectos (amizade, relacionamento, profissional…). Lamento informar que quando não nos tratamos bem e colocamos o outro acima de nós, nós mesmos já estamos nos abandonando e perdendo a nossa essência e mais cedo ou mais tarde a outra pessoa fará o mesmo connosco.

Por isso sim, você é a primeira pessoa que você precisa amar e cuidar. Quanto mais fizer isso, mais seu amor transbordará e chegará aos outros, atraindo pessoas nessa mesma vibração e sintonia.

foto-4.jpg

Nós temos que aprender que existe uma lei: os outros nos tratam como nós nos tratamos! As pessoas que se tratam melhor são tratadas melhor.

O facto é que o modo como nos tratamos é um reflexo do quanto gostamos de nós mesmos em um determinado momento. E para conseguir melhorar o modo como nos sentimos e vemos em relação ao nosso próprio respeito: aceite elogios, elogie-se, fale bem de si mesmo, valorize-se, trate bem do seu corpo, faça com que as pessoas saibam como você deseja ser tratado, cerque-se de boas pessoas, use afirmações positivas e tenha sempre em mente a imagem daquilo que você deseja ser e não daquilo que você é.

Bem se queira sempre!!!!

Super Beijo!

Por Kelly Ho-Poon!!!

Pequeno-almoço sem pão branco! Topa?

Antes de mais, quero desejar um BOM DIA super especial a todos os meus Super seguidores/leitores. O bom dia de hoje é mais especial ainda porque é o primeiro do ano e desejo de todo coração que todos recebam meus votos (atrasados) de um excelente ano com muito amor e grandes realizações.

E quando entramos para o ano novo o que mais temos vontade de fazer??? Mudar alguns hábitos antigos e substituir por novos e “melhores”.  Certo? Lembram-se de um dos primeiros textos do blog, Dieta ou Reeducação Alimentar?.

Simm, é sobre reeducação alimentar que vamos falar. Sobre incorporar para nossa rotina algumas mudanças de hábitos alimentares de forma gradativa e  saudável.

receitas-de-pao-frances

Toda a gente sabe que o pequeno-almoço é a refeição mais importante do dia, por isso, deve juntar logo de manhã na mesma refeição “bons” carboidratos, fibras e alguma proteína.

Levanta a mão aí quem não ama comer um pãozinho branco quentinho no pequeno-almoço. Com bastante manteiga então, uma verdadeira iguaria!  Eu pessoalmente, confesso que adorava comer pão branco ao pequeno-almoço e não imaginava minha rotina matinal sem. Mas desafiei a mim mesma a cortar esse ingrediente e já me aguentei bem a pelo menos 1 mês.

O pão é desde sempre o alimento de eleição para o nosso pequeno-almoço e arrisco a dizer que para boa parte do mundo é assim.  Pela sua natureza é simples de confecionar, de transportar, pelo seu preço de aquisição ainda é refeição para muitas pessoas e famílias. Quem nunca ouviu a expressão: “Pão é vida?

Mas alguns tipos de pães, como aqueles feitos com farinha branca, não são vistos como as opções mais saudáveis para o pequeno-almoço, segundo nutricionistas. Tem ainda aquelas pessoas que têm alergia ou intolerância à glúten e não podem comer esse alimento. E agora, o que colocar na primeira refeição do dia no lugar do pão?

Então, se você está motivado a variar a ementa do seu pequeno-almoço ou tem restrição para comer o pão branco, selecionei algumas opções saudáveis e nutritivas que tenho implementado na minha rotina matinal.

Opção de papa de aveia

Muito mais saudáveis do que os cereais de pequeno-almoço e igualmente saborosas, as papas de aveia com canela têm tudo aquilo de que precisa para começar bem o dia. Eu normalmente preparo na panela com leite, mel e polvilho um pouco de canela. Para quem desejar dar mais sustância a esta refeição pode juntar pedaços de frutas ou  mesmo castanhas.

Novidade: Para quem não sabia e sofre de prisão de ventre, a aveia luta contra os intestinos lentos e preguiçosos por ele ser rico em fibras alimentares.

mingau-veronica-laino-2-1024x683
Papa de Aveia

Opção de Yogurth, Cereais e Frutas

Depois de horas de jejum durante o sono, ao acordar precisamos de uma dose caprichada de carboidratos, vitaminas e minerais. É aí que os cereais (nesse caso Muesli e Korn Flakes) levam vantagem sobre a concorrência na manhã, pelos pães e biscoitos. Os cereais além de concentrarem tudo isso, ele ainda vem recheado de fibras.

Dica: Para quem quiser garantir saciedade por mais tempo durante a manhã pode acrescentar à mistura pedaços de frutas ou castanhas/amêndoas/amendoins.

bf
Yoguth + Cereais + Muesli + Frutas

As Frutas são uma boa opção para iniciar o dia  por elas conterem  a quantidade ideal de carboidratos e vitaminas que precisamos ingerir pela manhã. Lembrar de que é recomendado que seja ingerido em jejum. Eu confesso que não arrisco em comer apenas fruta ao pequeno-almoço, agregando sempre cereais, Yogurth ou até mesmo uma fonte oleaginosa como castanhas, amendoim ou amêndoas. Muita gente acha estranho, mas comer banana com manteiga de amendoim é fantástico (risos).

fruta.jpg
Fruta.

Opções com ovos

Depois de terem sido acusados de serem o inimigo público número 1 do colesterol, agora são aclamados por serem uma saudável fonte de proteínas e de nutrientes.

O costume de comer ovos no pequeno-almoço não é à toa! Os ovos possuem inúmeros benefícios para além de oferecerem proteínas e vitaminas que os pães não oferecem, assim como também garantem a sensação de saciedade.

Os ovos cozidos são a maneira menos calórica de consumir esse ingrediente nos nossos pequenos almoços. Muitas vezes eu acompanho os ovos cozidos com batata-doce, beringela ou alguns vegetais e complemento com atum ou peito de frango. Mas se você ama aquela omelete super recheada assim como eu, não precisará abrir mão disso. Utilizando recheios como verduras, legumes, atum ou frango poderá deixar o seu prato ainda mais nutritivo. Muitas vezes acompanho com bolachas provita, batata-doce e castanhas para dar sustância quando estiver muito faminta.

Segue abaixo algumas sugestões.

img_e6804
Ovos cozidos + Peito de frango + Couve Flor

 

img_e6858
Ovos + Atum + Beringela

 

img_e6767
Omelete de vegetais + Batata Doce

 

6
Ovos + Peito de Frango + Vegetais

 

9.jpg
Ovos Mexidos + Bolachas Provita

 

pa.jpg
Ovos + Atum + Batata doce

Então, ninguém mais pode usar a desculpa de que esta sem ideia de como substituir o pão branco por outros alimentos no pequeno-almoço. Ideias e criatividade é o que não nos falta, o que falta na verdade é força de vontade. Concordam? Ahh, para manter-vos inspirados, continuarei a publicar as fotos das minhas sugestões ao longo dessa jornada.

A Mudança de um único hábito pode transformar toda uma vida!

Na verdade o que está em causa aqui não é o pão branco, mas a possibilidade de mudarmos nossos hábitos alimentares começando de algum lado. Ultrapassando esse desafio e tornando essa mudança em rotina conseguimos sair da nossa zona de conforto para abraçar mudanças maiores. O que acham?

Notem: É através de pequenas mudanças que a reeducação vai se constituindo e aos poucos, tornando a nossa alimentação mais saudável e equilibrada. A soma de bons hábitos repetidos resultarão na nossa atitude e postura.

Espero que tenham gostado da matéria, partilhem com pessoas que acreditam que precisam de um empurrãozinho nesse desafio e o mais importante comentem o que ainda vos impede de mudar a vossa rotina alimentar e o que têm  feito nesse sentido.

Que 2019 não seja apenas a mudança do último digito no calendário, mas que possamos nos tornar na melhor versão de nós mesmos e sejamos a diferença que desejamos ver no mundo.

Super Beijo e desafiem-se permanentemente!

Por Kelly Ho-Poon

E se o amanhã não chegar? Já pensou?

foto1

Senti uma enorme vontade de escrever sobre este assunto porque domingo que passou meu marido comprou uma árvore de Natal e pela emoção e ansiedade de ver a reação da Giovanna montamos logo. Fizemos fotos para registrar a primeira árvore de Natal na vida dos três como família e publiquei no status do WhatsApp, daí surgiu vários comentários: elogios e sentimento de surpresa por acharem cedo demais para o efeito.

Duas coisas chamou a minha atenção pela reação das pessoas. A primeira foi que algumas pessoas acharam que era cedo para montar a árvore. Mas eu me pergunto, só eu é que acho que o ano já está em vias de terminar e que o Natal esta a espreita? O segundo aspecto que despertou minha atenção foi a retração de algumas mães em decidir se montavam a árvore este ano ou ainda era cedo demais pois os filhos podiam por curiosidade e traquinice destruir a árvore em minutos.

Parece banal, certo? Mas estes dois pontos são a essência deste texto. Por um lado é o tempo que corre, voa e escapa por entre os nossos dedos e de outro consiste no “deixar para amanhã” os momentos, os sonhos, as decisões que devem ser vividas hoje. Porquê? Porque o amanhã pode não chegar!!!

Quando será a nossa hora de partir? Não sabemos. Razão pela qual não se pode perder tempo. A vida é uma só. Mas já pararam para pensar que só damos conta disso e nos sensibilizamos quando perdemos alguém próximo ou alguém muito jovem?

A vida segue uma linha recta e, em algum momento, ela chega na recta final. E torcemos sempre, Deus permita que seja daqui a muitos anos, depois de termos nossos filhos, netos, uma vida próspera e cheia de histórias, sou a única? Mas a verdade é que não sabemos. Não temos esse controle, infelizmente. O que podemos fazer é viver o hoje, o “presente”, tal como a palavra sugere. Olhar para o que existe e temos domínio ao nosso redor e o mais importante, sentir que é o lugar onde desejamos e merecemos estar.

Outro momento que conseguimos dar conta que não fizemos muita coisa de útil com os dias que nos foram concedidos até então, é quando nos aproximamos a virada do ano, minto? Nasce em nós, com o ano que vem uma esperança de poder fazer tudo diferente e concrectizar tudo o que não conseguimos no ano que finda. Sim, a virada de ano é mesmo assim: cercada por superstições, promessas e regada pela esperança de renovação. Parece uma segunda chance dada pelo o universo de recomeçar e fazer o melhor por nós mesmos.

Me questiono, de onde vem a recorrente necessidade de renovação sentida nos finais de ano? Será um ano o suficiente para nos cansar ou será que sempre adiamos nossos sonhos para o ano seguinte ao invés de buscar alcança-los agora? Se pensarmos nas promessas feitas, constataremos como se repetem e fechamos mais um ciclo com a mesma cesta de sonhos não realizados. Concordam?

Somos abençoados porque temos o poder de mudar o que não está bom. Somos os únicos responsáveis por nossa felicidade, únicos que podemos ir atrás dos nossos sonhos. O importante é começar de algum lugar e a qualquer momento. Mesmo sem um plano e sem muitos recursos. O que precisamos é apenas sentir que estamos a dar um passo adiante.

Se você já pensou em mudar de emprego, ou mesmo de carreira, esse é um bom momento para fazer alguma coisa. Envie seu currículo para onde quiser, mesmo que a empresa que anseia não tenha vagas abertas. Arrisque! Não vamos com isso agir feito loucos e largar o que temos para se atirar no escuro, apenas vamos correr atrás de algo que nos complementa.

Toda vez que não deixamos que a nossa criatividade flua, por preconceitos, pressupostos morais, ou o que quer que seja alheio a nós, estamos a oprimir o nosso “EU”. E acreditem ou não, tudo isso pode se materializar em doenças resultantes de energias mal canalizadas de nossos corpos.

Parece cliché, mas a vida é aqui e agora.  Aproveite para fazer o que lhe faz bem ou  sempre quis fazer. Faça aquela viagem que sempre desejou ou mesmo uma mais simples, beba aquele vinho que esta a empoeira-se na estante da sala reservado para uma ocasião especial,  converse com os seus amigos e familiares, diga às pessoas o quanto elas são importantes na sua vida. E faça isso hoje porque amanhã pode não chegar.

A vida passa tão  depressa e a maioria de nós se arrepende daquelas coisas que tivemos medo ou não tivemos tempo de realizar, as vezes porque achávamos que ainda tinhamos muito tempo pela frente. Como aquela árvore de Natal que deixaremos de montar este ano com medo que nossos filhos a destruam, achando que quando forem crescidos é mais apropriado. E se amanhã não chegar? Perdemos esse registro mais do que fotográfico, é memorável.

O medo de sair da nossa zona de conforto, de fazer o que nos faz felizes nos paralisa e nos domina. Quantas coisas deixamos para depois com desculpas, como de falta de dinheiro ou falta de tempo, mas que no fundo, se resumem apenas a um medo irracional de projecções de cenários imaginários e inexistentes criados pela nossa mente fértil?

O ponto talvez seja acreditar mais em nós mesmos e tomar as rédeas da nossa vida. Até porquê  a nossa felicidade só depende de nossas escolhas e acções. Então, porque deixar para depois aquilo que pode nos fazer felizes hoje? Tenho dito, a felicidade, está sempre nos pequenos prazeres da vida e naquela sensação de: “eu tentei, fracassei, continuei e consegui!” Tudo que fazemos e conquistamos é motivo de acreditar que somos capazes de tudo quanto sonhamos e idealizamos.

foto.jpg
Quem encara a vida com mais leveza e percebe o encanto das pequenas coisas, certamente é mais feliz.

Sejamos felizes hoje, porque o amanhã pode não chegar. À linha entre a vida e a morte é tão ténue e sem nenhum aviso. Tudo muda. Uma hora estamos vivos e a outra somos pó. E o ciclo continua.

Texto melancólico? Não, texto encorajador para começarmos a fazer do hoje o melhor dia da nossa vida e corrermos atrás dos nossos sonhos. Para lembrar que não existe momento perfeito existe pessoas que correm atrás dos seus sonhos para serem melhores a cada dia independentemente da circunstância vivida. Para pararmos com os planos de  sermos felizes quando crescermos! E se não crescermos? Querermos ser felizes quando tivermos muito dinheiro. E se esse dia não chegar??

Sejamos bravos, sejamos sobreviventes e jamais derrotados.

Super Beijo!

Por Kelly Ho-Poon

Uma Leoa nasceu hoje!

kelly.jpg

 

Bom dia Super Mulheres!!!

Porque hoje, 08.08.18 é dia de meu aniversário não podia deixar de partilhar com meus leitores (família, amigos e curiosos :-*) a minha grande satisfação e felicidade.

Aniversário é dia de bolo simmm, é dia de sermos lembrados e coroados  como pessoa especial que somos, é dia de puxões de orelha, de amparo e de festa. Mas acima de tudo é dia de reflexão.

É um dia para reflectir sobre o ano que passou e acima de tudo perspectivar e projectar os anos que se seguem.

Acredito que meu maior aprendizado até agora foi que a família e os verdadeiros amigos são o nosso bem mais precioso e devem ser valorizados. Nas nossas maiores atribulações são os que estão juntos e que nos amparam. Aprendi que alguns amigos viram família, aqueles que nunca desaparecem nas suas maiores batalhas. Quem não tem um amigo-irmão?

Ahhh, Aprendi que nada cai do céu, e que o suor vale sempre a recompensa. Minha Mãe sempre dizia que dinheiro não dava em árvores, hoje eu entendo o significado dessa máxima, rsrsrsrs.

Aprendi que mesmo que as pessoas queiram o nosso bem, poucas delas querem que estejamos melhor que elas. Que nem toda preocupação de outrem é vontade de ver melhorias na nossa vida, mas apenas curiosidade.

Aprendi que a linha entre a vida e a morte é muito ténue e que o amanhã  pode não chegar. Nisso, vou aprendendo a não procrastinar demais e deixar para um amanhã que só Deus sabe. Ahhh, e aqueles E´ses (projeções infundadas) da vida servem apenas para nos petrificar e não permitir que evoluamos nos nossos sonhos e desejos.

Aprendi que gostar de mim mesma e respeitar meus valores acima de tudo, não é egoísmo ou egocentrismo, mas amor próprio. O que é muito bom e recomendo.

Aprendi que temos que nos preparar para as oportunidades da vida mesmo antes delas acontecerem, sob o risco delas chegarem e não estarmos preparados para abraça-las com eficiência (essa aprendi com meu marido, rsrsrs).

Aprendi que a vida é como os livros de colorir infantis, onde cada um pinta com a cor que define sua natureza e maneira de ver a vida e o mundo.

Ao longo desses anos experimentei dores e perdas que achei que jamais suportaria, mas minha fé, meu alicerce me deixaram de pé.

Hoje ao colocar tudo numa balança vejo que meu saldo é positivo, simmmm, mesmo com tantos desafios, sorri mais que chorei, venci mais que perdi, amei mais que sofri.

Quero daqui pra frente conseguir doar mais que recebo da vida. Transformar toda a gratidão que sinto por tudo em resultado para aqueles que hoje precisam de mim.

Agradeço imensamente todas as oportunidades que me foram oferecidas pela vida e espero que tenha conseguido fazer valer a pena cada uma delas.

Meu muito obrigado, vai para aqueles que sempre estiveram  ao meu lado em todos os momentos de minha vida. Agradeço ao meu Deus Pai por me cobrir sempre de calma, maturidade, sabedoria e discernimento nos momentos menos bons, por me dar sempre esperança quando não mais acreditava e  por me ajudar a lutar sempre para melhorar como pessoa.

Que venham mais 365 dias e páginas de muito amor e aprendizado.

08.08.2018 – Uma Leoa completou mais um ano de vida.

Super Beijo!

Por Kelly Ho-Poon

 

Seja a CEO com quem gostarias de te casar!

IMG_E1298
Como é bela a mulher que é forte, independente e senhora de si mesma!

Por muito que fale ou chame atenção para assuntos relacionados a emancipação e independência da mulher, eu não me canso. Desta vez venho trazer aspectos sobre a independência da mulher em todos os sentidos.

Muitas de nós crescemos moldadas de que mulher precisa de um homem ao lado. Certo? Que “o melhor que podemos fazer na vida, é casar” e outras vezes mais bizarras ainda que temos que nos casar com um homem bem posicionado.  Outro dia até vi uma peça de teatro em que uma mãe dizia a filha: “Minha filha, nascer pobre é azar, mas casar com um homem pobre é burrice”.  Fazendo disso o maior objectivo da vida, muitas mulheres casam-se para não terem que ficar sozinhas. Casam-se para estarem casadas. Casam-se para seguir o padrão.

O que eu gostaria de ver é uma geração de mães e mulheres fortes que incitam suas filhas a estudarem, fazerem vários cursos, falarem várias línguas, trabalharem e conquistarem sua independência. Casar, ter filhos, constituir família é óptimo  e recomenda-se se assim for a sua vontade. Pois estes padrões  não devem ser vistos como modelos ou regras do jogo. Ter um marido e ainda com posses, não deve ser visto como meta e nem como único combustível da mulher se dar bem na vida.

Não sou feminista, longe de mim. Não estou a fazer campanha anti-casamentos (seria injusto e hipocrisia da minha parte, até porque sou casada, risos), gostava de ver apenas mulheres emancipadas, casadas também mas que não vivam na dependência. Limitadas do livre arbítrio de ir e vir, comprar o que lhe convém pois tem que pedir ao seu marido.

As meninas não devem sonhar apenas em casar, ter um marido que a proteja e a sustente. As mulheres precisam de sonhar em estudar, conquistar boa profissão, ser bem sucedida e encontrar um companheiro. Alguém que partilhe e some, não alguém que somente a acrescente como se de uma boneca de porcelana se tratasse.

As nossas avós  e algumas das nossas mães não tiveram a oportunidade de estudar e poder ter as condições que nós temos, pela conjuntura em que se encontravam. O papel delas restringia-se somente ao de esposas, mães e donas de casa. Hoje com um cenário totalmente diferente, vamos incentivar as nossas filhas a lerem bastante, formarem-se, abraçarem uma profissão e aprenderem a tomar conta do seu dinheiro desde pequenas.

Reparem que nossas meninas tem mais preocupação com seus sonhos de casamento e maternidade do que com que carreira seguir. Muitas de nos esforçaram-se a terminar a faculdade para terem o aval para saírem da casa dos pais e poderem se casar. Quem ai se identifica?? Casar e construir uma família tem que ser algo natural e não por formalidade ou imposição social. É uma consequência do fluxo da vida, não uma regra.

A Mulher deve esforçar-se sempre por manter níveis aceitáveis de autonomia e independência na sua vida pois estes contribuem para sua realização pessoal. A mulher deve ter confiança em si, e nas suas capacidades e habilidades (isso passa antes por conhece-las bem) de forma a conseguir enfrentar sozinha as adversidades quotidianas.

Não quero com isso dizer que as mulheres devem isolar-se do mundo, uma vez que enquanto seres humanos precisamos sempre uns dos outros. Afinal de contas nossa vida não faz sentido algum se não tivermos com quem a partilhar, sejam amigos, familiares e até mesmo aquela pessoa especial, certo? Porém é necessário, estabelecer alguns limites e não esquecer os seus pensamentos, valores e vontades pessoais. As mulheres não podem jamais deixarem perder as suas individualidades. Se isso acontecer torna-se dependente emocionalmente, acreditando interiormente que precisa da atenção e da presença de outras pessoas para alcançar segurança e bem estar.

Neste âmbito eu deixo um conselho e quero que seja o hino de todas as meninas e mulheres da sociedade Moçambicana e no mundo inteiro: Seja a CEO com quem gostarias de te casar! Seja você o seu orgulho, o seu rumo e seu propósito de vida.

28576494_1821162981269548_4291809549638652597_n[1]

Super Beijoooo!

Por Kelly Ho-Poon 🙂

Somos Mozbloggers!

_DSC0591

Olá Super Mulheres!!!

Antes de mais, quero desculpar-me pela ausência neste últimos dois meses e comprometer-me a voltar em constância. 🙂

Então, dizer que não podia voltar numa vibe melhor! Onde vou apresentar o  MozBloggers, que é um grupo constituído por “blogueiros” e “YouTubers” de Moçambique actuando em várias áreas e temas. Se é blogger ou YouTuber e estiver interessado em fazer parte desta família basta enviar um email com detalhes da área de actuação para: mozbloggers@gmail.com. Para manter-se informado sobre o que está a acontecer neste mundo pode também seguir a página no Instagram @Mozbloggers!

No sábado que passou tivemos o II Brunch  do grupo que aconteceu no espaço Fundação Leite Couto, espaço super agradável e recomendo. O encontro teve como intuito apresentarmo-nos  de modo a sabermos o que cada um faz e atualização  do que está a ser feito até agora. Ahhh e lançar a marca Mozbloggers, as T-shirts falam por si.

Lembram-se do texto passado Por um mundo pautado pela solidariedade entre as mulheres!? Simmm, esta é uma manifestação gritante de Sororidade e irmandade. Onde grupo de mulheres (tem homem também, risos) não se sentam para fofocar ou fazer intrigas como dizem as “más línguas”. Aqui, mulheres e homens sentaram-se para darem suporte uns aos outros a trabalhar e dedicarem-se mais. Sentaram-se para falar de moda, life style, assuntos sociais e contemporâneos da nossa sociedade e do mundo. Para enaltecer a nossa cultura e país de modo dá-lo a conhecer além fronteiras, como um país com uma diversidade cultural rica e vasta.

O grupo existe para mostrar que ser blogguer é mostrar que temos potencial, força de vontade e muito interesse em expor algo (independentemente da área). É mostrar nossa paixão pelo que fazemos, sem medo do que os outros possam dizer ou comentar sobre nossa opinião mostrada em algum conteúdo.

_DSC0645sem nome

Passo a apresentar parte dos integrantes do grupo, da esquerda para direita:

Nádia Elisa, Iara Naty, Monique Cláudia, Dalva Cabral, Faira Mesquita, Eric Ambriza,  Cindy Chembeze, Davin Shaleen,  Daniela Mondlane, Madina Abacar – A Matriarca 🙂 e Nasha Mavee (que mesmo distante se fez presente)!

_DSC0475

 

_DSC0533

Crédito pelas fotos: Super fotografo @otto.evan!

Super Beijo e até breve!

Por Kelly Ho-Poon!